Ocupa Cacilda!

Mais Uma Semana de Ocupação!

Chegamos na segunda metade do mês de agosto e na terceira semana de ocupação do Teatro Cacilda Becker. Nessa semana nossa programação do Cacilda Palco Aberto! contou com a apresentação de uma peça, Sofia – 35, e uma performance, Denise. Apesar de ambas nos remeterem ao universo feminino, suas questões não poderiam ser mais diferentes.

Sofia -35 da Cia Duplo de Artes Integradas é um monólogo baseado na primeira vez que o diretor viu uma travesti ao vivo. Ao longo da peça conhecemos a vida de outras travestis e fatos marcantes como, por exemplo, que a expectativa de vida delas é de 35 anos. A peça é um belo relato e coloca a audiência em maior contato com um universo que, por falta de conhecimento ou preconceito, se torna misterioso e estranho para uma grande maioria.

Depois seguimos com Denise. Uma mistura entre som e movimento, onde não existe roteiro certo a ser seguido, apenas imagem e sonido que ecoam por todas as partes. A música que emerge do sintetizador nos leva a um transe, a um quase estado de hipnose. Com uma luz baixa, somos levados a nos concentrar nos movimentos do performer que levam a diferentes interpretações, ele fornece um material múltiplo em que o espectador não é forçado a seguir apenas um caminho, mas lhe é dada uma ampla liberdade de escolha.

Em nosso último Cardápio Cacilda com curadoria de Ricco Garcia tivemos a exibição do filme Quando o Momento Canta – A Musa Interior – África como um espelho, do professor e musicólogo norueguês Jon-Roar Bjørkvold. O filme faz um estudo etnológico de como o ritmo influencia no movimento dos corpos. Para isso, Roar compara o movimento dos indivíduos na Europa com o movimento dos indivíduos em um povoado africano. Ao final da exibição ainda contamos com um bate papo com professores da UFRJ  e demais participantes da sessão. Entender a raíz do movimento parece ser o mote do filme. Roar acredita que os africanos estão mais ligados ao ritmo pois o incluem em atividade do cotidiano, a música faz parte dos eventos diários de suas vidas; essa é a grande diferença quando comparados aos europeus.

No final de semana tivemos a estreia nacional de Samplers do Rio Hop. A companhia faz parte do nosso programa Novíssimos que visa fomentar e dar espaço a criadores novos. O espetáculo foi muito bem recebido pelo público e contava com diversos elementos únicos, como a criação de um figurino colaborativo onde as roupas eram doadas pela audiência assim como a participação através de um grupo de whatsapp dos espectadores do espetáculo.

Fechamos a semana com sensação de dever cumprido e preparados para mais uma semana de ocupação. A cada semana percerbemos a importância do Teatro Cacilda Becker. Único espaço dedicado exclusivamente para dança na cidade do Rio de Janeiro, ficou fechado por mais de seis meses no início do ano. Por mais que elementos externos ao nosso desejo não tenham permitido que nossa Ocupação fosse exatamente da forma planejada, sabemos que os artistas, público e nós estamos nos esforçando para criar e articular o espaço da dança no Rio de Janeiro. Então…

VEM OCUPAR O CACILDA COM A GENTE!