Ocupa Cacilda!

Suite Funk

Suite Funk foi o primeiro espetáculo da Companhia Urbana de Dança. Como Sonia Destri Lie fala, foi um espetáculo pensado junto com jovens de idades entre 18 e 20 anos. A intenção que se desenrola em cena é mostrar a realidade daqueles jovens nos espaços por eles habitados. Por mais que, na atualidade, a juventude compartilhe de símbolos em comum, as tribos dos jovens estão cada vez mais homogêneas, independente do país em que as encontremos; vemos em Suite Funk o que é ser um jovem carioca, mais precisamente um jovem nascido e criado nas regiões mais periféricas da cidade.

A música escolhida como trilha sonora embalava os sonhos e viagens dos jovens da Companhia, jovens que gastavam mais de duas horas em um ônibus para chegar em outros pontos da cidade mas nem por isso deixavam de circular livremente por essa.

O espetáculo transmite, mesmo depois de 10 anos, uma ar de jovialidade, passa a sensação de que aqueles jovens podem tudo, estão dispostos a tudo. Percebemos que esses jovens não ficam contidos apenas em um espaço, eles circulam, inspirando e transpirando referências. Seja na praia, no baile, ou na comunidade; todo instante pode ser potencializado e transformado em um movimento traduzido na dança que vemos no palco. A alegria de ser carioca, de dançar, sair para festas, ir para praia; tudo isso está representado no espetáculo. Os jovens da Companhia já não são os mesmos, dez anos se passaram e, com esse tempo, a sua bagagem de vida, experiências, aumentou. Mesmo assim conseguimos ver um espetáculo que transmite inocência – não ingenuidade pois a malícia está presente em todo momento – do que pode ser e é a vida na cidade do Rio de Janeiro.

Suite Funk não é somente o Funk. É também o samba, o pagode, a MPB; é a música brasileira. É a música que transita das comunidades cariocas, a tradição cantada em vozes conhecidas nas rodas de samba e festas de fim de semana. A música é impar no espetáculo e também um reflexo do que são esses jovens, cuja energia contagiante faz com que nosso olhar não desgrude do palco.